Denúncia de descarte de lixo e acúmulo de materiais no Campeche

A denunciante, dona Cristiana Klanovichs, advogada, é  moradora de condomínio às margens da Rod. SC 406. De sua janela é visível: peças de máquinas de lavar, partes de aparelhos de TV, entulho e embalagens em grande quantidade. Habitat ideal para o acúmulo de larvas e proliferação de mosquitos da dengue, além de um potencial criadouro de colônias de escorpiões, ratos e insetos domésticos como baratas e lacraias.

 

Cristiana Klanovichs, expõe o risco que o descarte  oferece:

 “O entulho depositado ao lado de minha casa pode tornar-se um foco do mosquito da dengue, além da proliferação de outros animais e insetos causadores de enfermidades”.

 

DuCampeche:

Há em sua família, um caso de contração da dengue. Onde se deu essa contaminação?

 

Cristiana Klanovichs:

“Meu Pai contraiu a dengue em Curitiba. Levou uma semana para ser diagnosticada. Há uma enfermidade conhecida como Chikungunya que tem sintomas parecidos, que é transmitida também, por um mosquito.”

Febre Chikungunya é uma doença parecida com a dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado e, menos comumente, pelo mosquito Aedes albopictus.

 

DuCampeche:

Como foi a convalescência de seu Pai, e qual o tamanho de sua preocupação com o descarte aqui?

 

Cristiana Klanovichs:

“Ele precisou de dois meses para recuperar-se por completo e ainda sente algumas dores. Por ser idoso, (70 anos)  seu reestabelecimento foi ainda mais difícil... O problema não é dirigido só a mim, ou à minha filha de colo. Eu não penso apenas em minha família  e sim, com a saúde de toda a coletividade...”.

 

DuCampeche:

A quantidade de lixo depositado no terreno, já foi bem maior?

 

Cristiana Klanovichs:

“Havia mais lixo espalhado por todo o terreno.

Agora ele foi acumulado em um dos lados. Como é possível observar, são garrafas “PET”, muitas latinhas, sacos de lixo... São objetos que podem seguramente tornar-se focos de dengue e potencialmente disseminar outras doenças contagiosas.”

 

O Portal DuCampeche,  ao circular pelo bairro, verificou que Lixo e entulho são descartados irregularmente nas vias.

No terreno em questão, é um terreno privado na SC-405 na altura do número 1000, curiosamente foi feito descarte no momento em que filmávamos.

Sr. Natanael (proprietário):

Segundo o proprietário do terreno denunciado, Sr. Natanael, a grande quantidade de eletrônicos foi acumulada em função de um de seu filhos fazer experimentos em eletrônica, e já foi quase inteiramente removidos. A madeira que está acumulada será usada para se o levantamento de um pequeno galpão, o restante será enviado para reciclagem. Segundo ele o entulho já foi negociado de ser levado para o aterro do Itacurubi (Centro de Transferência de Resíduos Sólidos), pela COMCAP.

Registramos uma denúncia em nome do Portal junto à Vigilância Sanitária ( 48 3212-3913) e ficaremos de olho!

 

Ações como esta refletem a ausência da consciência cidadã, que deliberadamente optam por não dar o destino correto para o entulho e lixo produzido.

Descartes irresponsáveis  também acontecem com frequência em área pública, como exemplo na Servidão Eurico Leopoldo Rodrigues, na Servidão Guanimbé e área do PACUCA – Parque Cultural do Campeche (vide fotos). 

Acumular lixo e entulho gera condições ideais para a proliferação  do mosquito da dengue, entre outras doenças.

Pontos irregulares de descarte, degradam o meio ambiente, podem dinamizar a proliferação de vetores de doenças e diminuem a qualidade de vida dos habitantes das mediações onde foram lançados.

A COMCAP, responsável pelo recolhimento de lixo comum, de material reciclado e coleta de lixo pesado, disponibiliza agenda com as datas de coleta.

 

Da Redação DuCampeche