Alimentos Bons, Limpos e Justos

O tempo passa, o tempo voa... A pressa torna-se uma sombra constante, fungando em nosso cangote e pisando em nossos calcanhares. A necessidade de agilizarmos nossas rotinas faz com que pensemos sempre na mais eficiente gestão do tempo - do dia, da vida - E com isso, algumas questões básicas são tolhidas em prol dum maior dinamismo. Chances de bons momentos são trocadas pelo foco na próxima tarefa. Nessa hierarquização de nossos hábitos e atividades o ato de “COMER” tende a sempre sair perdendo. Uma frutinha, uma caneca (com tampa) de café e uma barra de cereal tornam-se um kit comum àqueles que dividem as faixas à espera da abertura do semáforo. Depois disso, o almoço será em qualquer restaurante estilo estacionamento rotativo e a janta, sei lá, o que tiver na geladeira. 

A negligência à alimentação é reflexo das escolhas de outrora que influenciaram a construção de nossa sociedade até aqui. Primeiro deixamos de produzir nossa comida, depois pudemos embalar e acrescentar alquimias e utilizar ferramental mirabolantes que nos permitem manter esses alimentos consumíveis durante um período bem maior (vide Sódio e geladeira, respectivamente). O preço disso? Estamos fugindo da naturalidade dos alimentos e nos aproximando de cadeias produtivas cada vez mais dependentes da industrialização. Um importante contra-movimento a este processo é o Slow Food, idealizado por Carlo Petrini, cujas frases já embasaram um outro texto meu (https://ducampeche.com.br/coluna/pedroxavier/hortas-urbanas-quintais-de-... ).

Tendo como pressupostos fundamentais a idéia de que a forma como nos alimentamos influencia diretamente o ambiente que nos rodeia – as tradições, o meio-ambiente, a Economia - o Slow Food preza pelo direito ao prazer da alimentação. Para isso, fomenta propostas que utilizem produtos artesanais e de qualidade especial, produzidos de forma que respeite tanto o meio ambiente quanto os produtores. Sendo assim, é clara sua oposição e crítica ao processo de agroindustrialização e padronização dos alimentos com o qual os consumidores se acostumaram. Estes consumidores, portanto, quando bem informados são os principais veículos de uma mudança nesse sentido.

A UFSC, a partir de uma iniciativa interdisciplinar, é a sede de um projeto nacional firmado entre o falecido Ministério do Desenvolvimento Agrário, o Slow Food e universidades brasileiras. O “Alimentos bons, limpos e justos: ampliação e qualificação da participação da agricultura familiar brasileira no movimento Slow Food”  visa integrar consumidores e produtores que agem por meio de valores comuns, quais sejam os mencionados alimentos “bons, limpos e justos”. Com isso, busca-se fomentar produtores vinculados à Agricultura Familiar de todas as regiões do país por meio da Arca do Gosto, das Comunidades do Alimento e das Fortalezas do Alimento. 

Enquanto a Arca do Gosto é um catálogo global de produtos tradicionais em risco de desaparecer e que possuem representatividade cultural, as Comunidades do Alimento são constituídas por sujeitos que interagem com a produção agroalimentar - do campo à mesa - e vislumbram qualidade e sustentabilidade. A ênfase é dada não só no que se refere à produtividade, mas também leva em consideração as dimensões histórica, social, ambiental e cultural. Já as Fortalezas são iniciativas que visam auxiliar produtores rurais a romperem barreiras impostas pelas características dos mercados de alimento, fomentando coletivos e conectando-os com alternativas de comercialização que sejam sensíveis à realidade e aos valores destes produtores.

 Estas Fortalezas, se estruturadas de forma sólida e sobre um alicerce de confiança, cooperação e oportunidade, irão formar laços perenes que transcenderão ao período de implantação do Projeto. Elas apontarão um caminho fortuito no qual os produtores serão capacitados a seguir com suas próprias pernas, galgando o reconhecimento que merecem e levando suas vidas de forma digna. Entre os dias 22 e 26 de Setembro ocorreu o Terra Madre Salone del Gusto, um grande fórum de debate e aprendizagem acerca das pautas do Slow Food. Estou ansioso para conhecer as novidades que virão da Itália.

Links
http://www.slowfoodbrasil.com/
http://www.salonedelgusto.com/en/

por Pedro Xavier da Silva